Sua primeira corda

Finalmente chegou o dia em que você decidiu praticar Shibari/Kinbaku, e percebe que para isso precisa conseguir cordas orgânicas. Parabéns!

Pode ter notado, ou alguém comentou que não há melhor material para praticar Shibari que cordas feitas de fibras orgânicas. Somente através dessas fibras vivas se pode transmitir sua energia quando realiza ataduras. Também são o material que melhor reúne todas as qualidades necessárias para realizar essas práticas.

 

Porém em Buenos Aires, Argentina assim como na maior parte da América Latina, não se consegue, ou as que se consegue são de procedência e qualidade duvidosa. Tenha em conta que as cordas são sua ferramenta e apresentação como atador, será melhor que as escolha com sabedoria. Acima disso se já chegou a etapa de suspensões, tenha em conta que a vida de quem está atando depende, da qualidade dessa corda e sua destreza como atador. Por isso nunca faço ataduras com cordas cuja procedência desconheço.

Minhas primeiras cordas ganhei de um grande amigo Kurt. Se tratava de um conjunto de cordas de juta japonês e enquanto me entregava dizia: “Estas são as melhores cordas e te acompanharão sempre com toda energia e amor que dedique a elas”. Ainda hoje as guardo com todo carinho e conservam aquela energia com que Kurt me entregou, me acompanharam até os Dojos de cordas nos lugares mais longes da terra.

Com isso aprendi que as cordas são algo muito pessoal do atador, e serão suas companheiras por todo o caminho da sua aprendizagem. Vão te acompanhar um longo tempo se você sabe escolher, cuidar e acima de tudo: respeitar. Diz-se que as cordas guardam memória de todas as ataduras que fizeram com elas.

É costume entre os japoneses que seguem qualquer “do” (caminho) poder vislumbrar habilidade, nível, cuidados e outras características de alguém apenas olhando para “sua ferramenta”. Neste caso, quem negligencia suas cordas é provavél que seja descuidado com a parte atada. Quem tem a corda quase sem uso se nota que não pratica muito, e por outro lado a praticidade com que a corda é enrolada falará o quanto se deixou fluir com elas.

Quando encontrei pela primeira vez com alguns dos grandes Sensei, a primeira coisa que fizeram foi observar cuidadosamente minhas cordas (sempre adicionando algum comentário sobre) como se fosse algo que eu estava criando. É muito gratificante quando se pode transmitir tanto só mostrando suas cordas ao seu mestre.

É por isso que, se você vai começar a praticar essa arte, deve questionar a si mesmo com que ânimo vai fazer. Se você realmente quer fazer “Shibari/Kinbaku“, deve ter em mente que não se trata simplesmente de ataduras “esteticamente” japonesas, mas sim uma maneira diferente de atar na íntegra. Pode-se dizer que é uma experiência completa que você está entrando, que poderá enriquecer sua vida muito mais do que imagina. Se o que lhe interessa é simplesmente imobilizar com nós preciosos, busque o bondage ocidental que vai encontrar muito disso. Aqui, por outro lado, vai encontrar energias, ritmos, tempos e todo um universo de sensações por trás. Além disso, você também vai encontrar códigos, honra, respeito e uma maneira muito diferente de ver aquele momento especial quando as cordas (como uma extensão do seu corpo e sua alma) encontram seu caminho sobre a pele daquele que se entregou a você.

Um conjunto de cordas Shibari, bem conservado e respeitado pode durar vários anos. É por isso que você não deve tomar tomar este primeiro passo como um gasto, mas sim como um investimento no futuro.

Se você está interessado em saber como os japoneses cuidam das cordas, recomendamos que você assista esta publicação e veja atentamente um das mais famosos nawashi japoneses na câmera..

Sobre quais cordas escolher, cânhamo ou juta, vai de gostos e como se sente pessoalmente com cada material. Para isso, seria bom ir a um verdadeiro Dojo onde você pode provar uma e outra para logo poder escolher. No entanto, em ambas, será essencial que conheça sua procedência, porque isso garante qualidade e tranquilidade ao momento de atar.

Um conjunto de cordas Shibari é geralmente composto de 7 cordas de 6mm. de diâmetro e de 7,5 a 8 metros de comprimento cada (aproximadamente). Esta medida é chamada tsubo. Ao longo da sua aprendizagem Shibari / Kinbaku você vai entender por que essas medidas e a importância delas. Além disso, você pode começar comprando um conjunto menor de 4 cordas para praticar. Isso vai ajudá-lo a dosar seu investimento e talvez optar por melhores cordas compradas em duas vezes.

Aqueles que conhecem de Shibari sabem que não há melhor corda do que as de juta japonês. Essas cordas são geralmente um pouco mais caras que as outras, mas vale a diferença em ouro. Sua textura, sua leveza, seu som, suas torções, seu brilho particular na hora de ser utilizada não tem comparação ao momento. Como katanas, kimonos, e outras belezas culturais deste país, muitos segredos de sua fabricação são antigas e raramente serão divulgados a qualquer “Gaijin” 外人 (estrangeiro).

Então, se sua decisão é comprar Asanawa Japonesa Original de Osada Steve, entre em contato conosco. Temos estoque e um preço fixado em Buenos Aires Argentina, muito competitivo

Osada Steve’s asanawa

Finalmente, se você decidir comprar cordas de juta japonês a partir do estrangeiro em seu próprio país, você também pode encontrar as cordas originais Osada Steve Sensei neste link:

Se você quer escolher suas cordas e ainda tiver dúvidas, não deixe de ler este artigo sobre as diferenças entre elas. Se continua com dúvidas, entre em contato comigo.

 

Será um prazer ajudá-lo a começar esta forma única de amor pelas cordas.

 

Haru TsubakiHaruTsubaki

Deixe uma resposta